• Luiz Duva

CORAZÓN DEL SONIDO CURADOR

Em outubro de 2016 Igor Alegoria capitaneou uma expedição brasileira à Montaña que Canta, em Carhuaz no Peru, para vivermos juntos dias inesquecíveis com o maestro Tito La Rosa e sua família. Tito um descendente de índios Quechua dos Andes peruanos tem ao longo dos últimos vinte anos estudado, preservado e difundido a música, as cerimônias e os sons curadores ancestrais peruanos. Com ele tivemos a chance de sermos conduzidos a lugares, paisagens, notas, harmonias e histórias que tocaram fundo em nosso Ser. Uma oportunidade única e curadora embalada pelo som do coração, o som do mestre Tito la Rosa.


Maestro Tito La Rosa em concentração para o início de uma sessão.

Tito é uma maestro do mundo mas suas raízes são de Carhuaz, uma pequena cidade que fica encravada entre a cordilheira Branca e a Negra dos Andes peruanos. Foi lá, na sua casa de família, que nossa viagem começou.


A sala dos abuelos e abuelas.

A sala dos abuelos fica num dos cômodos da casa do maestro em Carhuaz, uma sala que e é como um templo, um pequeno museu. Uma sala de muitos altares onde são reverenciados seus antepassados, a grande Mãe, o Pai e cada um dos instrumentos ancestrais peruanos. Uma sala de devoção, de conexão com cada um dos elementos e com Pacha Mama.


"O Divino na nossa tradição existiu na medida que se relacionava. Se relacionavam o Divino, a natureza e os humanos e tudo se relacionando formava a unidade".

- Tito la Rosa



O Batismo de Flores.


Depois de dois dias em Carhuaz subimos para a Montaña que Canta - que é um ashram e fica mais perto ainda das cordilheiras. Lá com Tito trabalhamos intensamente e fizemos várias cerimônias ancestrais peruanas.



Uma delas foi o batismo de flores, ou cha'lla de flores, que é uma cerimônia que nos vincula com a essência da natureza e do divino. É uma benção, uma boa ação, que nos coloca diante do belo, do próspero e do que há de melhor em cada um de nós. É um mergulho ao interior onde entramos em contato com o que de nós ficou esquecido por tempo de mais.



Entramos em contato, observamos, vamos ordenando e reordenando ao fazer o trabalho com as flores que pouco a pouco vai ganhando forma e limpando nosso coração.


A mandala de flores.

O rito segue e Tito vai tocando um instrumento específico para cada um dos participantes. Quando acaba abençoa um a um com uma chuva de flores.



Oráculo dos abuelos.


Outro trabalho que fizemos foi o do oráculo dos abuelos, oráculo de símbolos da tradição ancestral peruana e de símbolos que Tito foi encontrando ao longo da sua jornada. Dá uma mensagem atemporal, uma mensagem desde os símbolos, uma mensagem para o seu momento de vida. O oráculo não te diz o que fazer mas abre as portas para que você e o símbolo possam se relacionar neste ciclo da sua vida. Você abre a 'mesa', o jogo, e Tito lê as peças, os símbolos que caem em cada uma das quatro direções sagradas.


O oráculo dos abuelos esperando ser 'aberto'.

E o que saiu para mim.

"Renasce desde o vazio".

- Tito la Rosa



"Luiz através do som busca a tua essência e também desperta a essência nos outros".

- Tito la Rosa


O trabalho das 9 portas da Escola Peru Del Sonido Curador.


Antes de iniciar essa cerimônia o maestro Tito nos explicou o que é a Escola Peru.

"A Escola Peru é um grupo de curadores sonoros, de homens medicina, de mulheres que leem o oráculo e da minha maestra ayahuasqueira Amélia Panduro. Um grupo de pessoas que foram me alimentando e formando essa proposta de cura sonora através das nove portas".


Nove portas pelas quais Tito passa e vai nos conduzindo através do som curador. São nove etapas, cada uma com seu instrumento específico, partindo do silêncio rumo à essência, numa viagem interior para se abrir e purificar o coração.


Os instrumentos musicais utilizados por Tito no trabalho das 9 portas.

As 9 portas são:


1. A do silêncio - que é a mãe do som. 2. A do Pututo ou concha de caracol - que abre a cerimônia, evoca e pede licença. 3. A do vaso Cantante e da Antara de cerâmica - para viagem interior rumo à essência. 4. A da Mama Quena - que trata da relação com a Mãe, com sua origem. 5. A da flauta do Amor - para se abrir o coração. 6. A da flauta do Abuelo - que conecta com o masculino, com suas raízes e identidade. 7. A das penas de Condor,  Chacapa ou Antara de plumas - para purificação. 8. A do Charango e da Kalimba - que cura pelos harmônicos e comunica com o divino. 9. A da flauta dos Hemisférios - para equilíbrio dos opostos e começo do retorno à casa. E por fim, Tito usa o tambor Xãmanico ou uma flauta Lakota para trazer de volta e aterrar os participantes.


Entre uma e outra porta Tito toca uma tigela de metal ou de cristal alquímica que faz a ponte entre todas as etapas do trabalho.


As Tigelas de Metal do Himalaia.

Oferenda à Pacha Mama.


A última de nossas cerimônias foi uma oferenda à Pacha Mama. Um ato de entrega, de desprendimento profundo, um fazer algo à alguém e à todos sem querer nada em troca. Uma retribuição ao que de maior nos foi oferecido, a nossa própria vida.


Pacha Mama e suas divinas formas vistas a partir da Montaña que Canta - Carhuaz, Peru.

"Por isso despreende-te e entrega o melhor de você em cada situação. Isso é reciprocidade, é AYNI, uma lei universal".

- Tito la Rosa



A oferenda é uma ação de reciprocidade, AYNI. Fazemos uma oferenda porque necessitamos devolver o que recebemos e é por isso que rezamos, cantamos e tocamos durante a cerimônia. É por isso que oferecemos nossos dons e o que temos de mais precioso, representado pelos grãos e pelas flores - para Pacha Mama, para a mãe Terra.




"Antes de encerrá-la vamos contemplá-la. Ver sua forma, sua expressão que é uma expressão de vida, ela é algo vivo".

- Tito la Rosa


Em nossa oferenda agradecemos tudo o que tínhamos recebido não só nessa viagem mas também em toda nossa vida. Agradecemos e seguimos rumo ao topo da Montaña que Canta para enterrá-la e finalizar a nossa jornada.


Seguimos em silêncio, seguindo os passos do maestro curador que ia a frente nos mostrando por onde seguir e nos animando com seu Charango.


O topo da Montaña que Canta com as casas do ashram lá em baixo à esquerda.

Chegando lá no topo rezamos, cantamos, fizemos a oferenda e nos abraçamos. Ficando em silêncio por alguns instantes antes de voltarmos para o lugar do qual havíamos partido, um lugar, que assim como nós, já não existia mais.



O topo da Montaña que Canta com as casas do ashram lá em baixo à esquerda.

Gracias madre Tierra, gracias a la vida, gracias a usted maestro querido.


Y muchas gracias aos meus irmãozinhos queridos: Igor, Carla, Ada e Diana.


Namaste.


_/\_



# fotos de Igor Alegoria e Luiz Duva.




0 views
Sonido Curador